O Último de Burgh – Deborah Simmons

Último livro da série aclamada e amada das leitoras de livros de banca, falo de Deborah Simmons e seus sete (oito na verdade) homens amáveis da família de Burgh.

Particularmente sou uma fã dos livros de “mulherzinha”. Gosto muito e sempre vejo um ou outro volume que me agrada bastante (isso quando a capa não me faz morrer de vergonha alheia com aqueles músculos, saradões, oleados (?), desnudos, segurando uma mulher sofrida nos braços), no entanto, tenho que admitir que muitas vezes mal chego a terminar a leitura de tão fraco que o livro é. Amo clichês, mas isso não significa que qualquer coisa serve e nisso a Deborah Simmons fez escola  ❤

Em O Último de Burgh (olha que nome legal! Me faz lembrar daquelas sagas épicas , tipo o “último dos moicanos” ou então o “último dos samurais”…boa escolha de título) a história é voltada para o caçula da família, Nicholas, que agora já não é mais um menino e adolescente que acompanhamos nas outras obras, mas sim um homem feito e excelente cavalheiro que empreende uma jornada para ajudar a fofa Emery a descobrir o paradeiro do irmão. Porém, ele mesmo se encontra doente e acha que aquilo é a última coisa que pode fazer para zelar a honra dos D’Burgh.

A história é bonita e bem contada (apesar de achar a parte do mistério da “clava” meio torta e sem sentido), um ponto que me agradou muito foi a mocinha que não fazia as coisas difíceis e era sensata nas decisões e não saia por ai se jogando ao perigo toda hora (um fato comum nesse tipo de literatura). Também me surpreendeu Nicholas ser um cara tão fofo e simpático, virou meu segundo favorito dos irmãos (afinal, o primeiro é ~~~**Geoff**~~~), pensava que por ele ser o caçula ele ia ser retratado como o mais mimado ou que sua estória fosse mais comédia do que romance (como foi a de Rob), não, aqui o conflito gira em torno basicamente do fato dele está doente e não poder se comprometer e nem esperar nada do futuro por conta disso.

Fiquei feliz também que a autora não adotou a linha mística que vinha fazendo nos últimos livros, não combinava em nada e só servia como fundamento para a predestinação do casal. No entanto, meu pitaco pessoal, acho que foi mal aproveitada a parte em que Emery se veste de homem e temos um vislumbre de Nicholas temer se apaixonar por um rapaz quando na verdade era uma garota. Quando li a sinopse pensei que essa seria o fio condutor principal. Ledo engano. Poderia pensar aqui em mil situações que me fariam rir a beça disso ( coffee prince manda beijos ;)).

Também aguardei a conclusão da obra muito mais saudosista em relação a toda família e me tocou a falta que fez isso. Mas, como presente especial temos a participação do queridinho irmão inteligente, que meio que apaziguá a falta dos outros irmãos.

Dito isto, O Último de Burgh foi um livro mediano e acho que fugiu um pouco mais dos demais, há pitadas de menos de romance ( o que sinceramente não se esperava de um de Burgh, se é que você me entende). Fico aqui imaginando que talvez a autora só queria se livra da saga, afinal são 20, VINTE, XX anos escrevendo a série e, por mais que ela ame escrever, talvez já estaria de saco cheio das milhares de leitoras amolando pela conclusão dos livros, vai saber :p

Anúncios

Ackim

Tomei uma decisão.

Sempre tive o sonho de escrever meu próprio romance, e tenho milhares e milhares de ideias para isso. Mas livros não são feitos apenas de ideia, mas sim de papel e tina (ou teclado e fontes- como queiram). Enfim, varias vezes já tentei escrever um deles, e até certo ponto tinha feito a meta de escrever 32 páginas, pode parecer pouca coisa, mas pra mim foi um feito, e, deixando a modéstia de lado, estava indo muito bem. Infelizmente meu pc deu prego e ai… você pode imaginar o estrago e a tristeza de perder meu mal iniciado romance.

Daí foi um lapso de uns bons meses até que aqui estou me desafiando a começar do zero. Quero ser escritora, e isso tem que começar de algum lugar não é? Quer dizer, não é como se Sextante ou a Rocco fossem me ligar do nada para implorarem para publicar um livro meu, ahhhh como quero que esse dia chegue, então tenho que me mover, então a partir de hoje, a cada semana, um capítulo de um romance que idealizo a anos:

ACKIM

 

Onde conto a estória de Misty, uma garota com o desafio de encontrar novos amigos, e quem sabe, um grande amor, em uma nova cidade. Aparentemente seria tudo muito fácil, mas o que acontece é que ela vira a indesejável número um do colégio. A jornada dela só está começando

Ok, é apenas um sinopse mal lavada, mas é um começo. Então, vi muitas blogueiras escrevendo e geralmente expões logo os personagens, mas não gostei muito desse método, gostaria que meus personagens se auto apresentasse, assim, nada disso, pelo menos por enquanto.

Então, lá vai,

espero que gostem


 

PROLÓGO

 5 motivos para odiar mudanças

1- você terá que fazer uma nova memorização de tudo, rua, CEP, número de casa etc.;

2- se acostumar ao fato que terá uma nova vizinhança;

3- deixar seus amigos para traz;

4- começar do zero muitas coisas;

5-fazer a mudança propriamente dita.

 

5-motivos para gostar de mudanças:

1- vou embora;

2- eu terei uma nova vizinhança;

3- vou fazer novos amigos;

4- começar do zero muitas coisas;

5-adoro me mudar.

 

                Ok, talvez eu esteja sendo muito otimista quanto a isso vendo o quanto mamãe, e meus irmãos estão chateados com a gente indo em bora e tudo mais. Mas eu não me importo!

Não de todo modo, claro que eu vou sentir falta da Lucia, Helena e Nina, minhas melhores amigas e tem também minha professora de literatura, que ao contrário dos demais professores da escola, realmente gostava de dar aula, e não tinha como não deixar de amar a forma com que ela falava de Jane Austen e de Cecília Meirelles. Mas tirando isso, o que realmente vai ficar?

                Papai conseguiu um ótimo emprego em Dantes, uma cidade bem maior e bem mais legal que essa aqui, fora que o salário dobrou e o melhor: terei meu próprio quarto.

Não ter que dividir meu espaço com as milhares de coisas da Melissa é um sonho pra mim! Obrigada Deus por isso! Afora o fato que eu realmente poderei ser alguém nessa nova escola, por quer nada mais vergonhoso que viver sob a sombra da Melissa, sendo ela mais nova que eu. E eu estou cansada das pessoas olhando pra mim duvidando meu parentesco com a famosa “Mel” só por quer ela é mais alta, mais bonita, e tem o namorado mais lindo do colégio. Ninguém se importa com a Misty, a garota que tira as melhoras notas (menos em física, fisicadodemonio), e é muito mais simpática que a irmã, só por quer ela não namora o capitão do time do futebol.

                E eu sei que o Alex é lindo e ele e a minha irmã são como a Angelina Jolie e o Brad Pitt local, mas eu estou adorando o fato de sair disso tudo. Melissa vai para uma escola e eu vou para outra, como o semestre já começou não acharam vagas pra nós duas no mesmo colégio. Posso ficar mais feliz?

Ela por outro lado anda tristinha e cabisbaixa. Mamãe disse para eu ser um pouco mais sensível com o fato dela estar se separando do primeiro namorado dessa forma.

Eu realmente queria ser mais liberal como mamãe, mas pelo amor de Deus, Melissa só tem 15 anos! não era nem pra ela está namorando pra início de conversa, e fazem o que? três meses que eles estão juntos? Ademais, não gosto do Alex.

E não só pelo fato de que UM DIA já estive apaixonada por ele. Qual é, ele é da minha turma, é charmoso e inteligente, tinha como não me apaixonar? O triste foi descobrir que ele só se aproximou de mim para se aproximar da Melissa. Fiquei uns cinco meses deprimida, mas concluir que ele não tinha culpa alguma, afinal, nunca contei para ninguém que eu gostava dele, nem para Lucia (que também tinha uma quedinha pelo Alex). A questão é que depois que eu me afastei dos dois pombinhos vi o quanto ele é superficial, adora a aparência que tem e nada mais justa e adequado do que namorar a garota mais bonita também. O pior é que ela é do mesmo jeito. Triste, eu sei.

                Mas enfim, estou realmente empolgada com o que irá me acontecer em uma nova cidade, casa e colégio. Papai já estar lá arrumando tudo, e com as fotos que ele me enviou fiquei mais alegre ainda. A casa é linda, grande, e tem um quintal com jardins. Milena e Melissa vão ter que dividir o maior dos quartos. Eu fiquei com o pequeno, mal cabe minha estante de livros (mas tem banheiro próprio) e Michael também terá um só pra ele. Com certeza papai que foi atrás de uma casa assim. Ele é meio aficionado com que Michael tenha seu próprio espaço (traduzindo: sem coisas de menina espalhado pelo meio), principalmente depois que ele o pegou brincando com as bonecas da Milena. Eu e mamãe tentamos fazer com que papai não se preocupasse tanto com o fato de nos sermos quatro mulheres e de que é normal que Michael brinque com as coisas da Mile, afinal, eles são gêmeos e so tem apenas cinco anos e não sabem o que estão fazendo!

Ainda assim, desde então, papai se programou para que todo final de semana ele passe um tempo de “homem” com o filho mais novo, levando para as aulas de futebol ou indo pescar com ele. Acho que ele tendo um quarto só para ele vai aliviar mais o papai e fazer com que não fique tão estressado com a quantidade de pacotes de absorventes que gastamos por mês.

Tenho certeza que será um novo começo! Eu me sinto feliz e mal posso esperar para que minha vida mude!

continua…


Espero que tenham gostado! E conto com a sua opinião!